notícias

Depoimentos

LER MAIS DEPOIMENTOS

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência

Publicado em Notícias Segunda, 06 Dezembro 2021 17:43

Também conhecido como o Dia Mundial das Pessoas com Deficiência, esta data tem o objetivo de informar a população sobre todos os assuntos relacionados à deficiência.

Além disso, busca também conscientizar sobre a importância de inserir as pessoas com deficiência em diferentes aspectos sociais, como político, econômico e cultural.

De acordo com dados da Organização das Nações Unidas, aproximadamente 10% da população mundial tem alguma deficiência.

A principal ideia desta data é refletir (e pôr em prática) os melhores métodos para garantir uma boa qualidade de vida e dignidade para todas as pessoas que sofrem com algum tipo de deficiência.

Sinais típicos de imperatividade

Publicado em Notícias Segunda, 29 Novembro 2021 15:59

Para identificar se seu filho é hiperativo ou não, é preciso prestar atenção redobrada aos seus comportamentos e manias. Eles podem passar batido pelos pais que, atarefados e cheios de preocupações, não possuem tempo de vigiar as crianças por 24 horas. É um cenário extremamente comum na sociedade moderna. 

Desempenho escolar ruim

O fator que costuma alertar os pais é a súbita queda do desempenho escolar. É possível também que a criança nunca tenha tido uma performance como a dos colegas de turma. Em vez de exigir mais do filho, os pais devem procurar compreender as suas limitações e dificuldades. Se estas estão relacionados à apenas uma matéria ou atividade ou se estendem-se para as demais esferas da vida escolar da criança. 

Desatenção

A criança se distrai facilmente. É só aparecer um brinquedo novo, uma atividade diferente ou algum barulho um pouco alto que a concentração se esvai. Ela simplesmente para de ouvir você para ocupar a mente com outra coisa. Consequentemente, a desatenção também aparece na hora de fazer as tarefas da escola ou concluir afazeres domésticos simples. 

Agitação incontrolável

O hiperativo não consegue permanecer quieto. Ele corre, anda pelo cômodo, mexe nos objetos ao seu redor e fala sem parar, tudo para conter a necessidade de estar sempre ocupando-se com algo. A criança nunca parece se cansar de suas artimanhas e demanda constante atenção dos pais. As pessoas costumeiramente confundem essa agitação com má criação, reprimindo a criança com sermões.  

Tagarelice

A criança fala, fala e fala, interrompendo conversas com frequência. A fala excessiva acontece porque ela procura verbalizar seus pensamentos assim que possível para que ela mesma consiga compreendê-los. Caso contrário, pode até esquecer o que ia dizer ou do assunto principal. 

Distração

Quebrar ou derrubar objetos por acidente é outro indicativo de TDAH. Com a cabeça no mundo da lua, a criança perde um pouco da percepção do ambiente e acaba ganhando fama de desastrada. 

Na verdade, ela tem dificuldade para identificar todos os detalhes (objetos, móveis, pilares, degraus) de seus arredores. Neste caso, a criança também pode apresentar machucados arroxeados no corpo por bater acidentalmente em objetos e móveis. 

Dificuldade de compreender instruções

Se seu filho não entende as suas orientações da primeira nem da segunda e terceira vez, é provável que ele seja hiperativo. A criança com TDAH não conclui ou não executa tarefas da forma indicada não porque é preguiçosa ou está com má vontade, mas, sim, porque não conseguiu compreender a totalidade do que foi falado. 

Ansiedade

A ansiedade, neste contexto, é passageira. Incapaz de se acalmar, a criança acaba atropelando os amiguinhos e colegas. Se atravessa nas brincadeiras, responde as perguntas feitas pelos professores a outros colegas, e não aguenta esperar a sua vez em filas ou para realizar atividades escolares. Este sintoma também pode ser mal interpretado pelos demais, já que passam a rotular o seu filho de inconveniente. 

Impulsividade

Este sintoma pode até mesmo ser perigoso, pois a criança pode fazer alguma coisa perigosa sem pensar nas consequências. Brincadeiras simples podem sair do controle e causar machucados ou ferimentos. 

O diagnóstico

Para você sanar as suspeitas de que seu filho possa ser hiperativo, existem alguns critérios os quais devem ser levados em consideração. O primeiro é que os sintomas devem se repetir com certa frequência e não apenas uma vez ou outra.  

Diversas crianças têm dificuldade na escola. Algumas acham uma matéria mais difícil do que as outras e precisam de tutoria particular para ter as mesmas notas que os colegas. É quando esta dificuldade atinge diversas (ou todas) as matérias de forma generalizada que os pais devem se preocupar. 

O TDAH pode variar de leve para grave, portanto, cabe aos pais ficarem atentos para a intensidade dos sintomas e relatarem suas observações para um profissional.

Saiba mais sobre a síndrome de Down

Publicado em Notícias Terça, 23 Novembro 2021 16:52

A síndrome de Down é uma alteração genética produzida pela presença de um cromossomo a mais no par 21. Esta modificação genética afeta o desenvolvimento do indivíduo, determinando algumas características físicas e cognitivas. As pessoas com esta alteração devem praticar atividade física para seu bem-estar físico e emocional.A maioria das pessoas com esta síndrome tem a trissomia 21 simples. Isso significa que um cromossomos extra está presente em todas as células do organismo, devido a um erro na separação dos cromossomos 21 em uma das células dos pais.Fonte: Fundação Síndrome de Down
As pessoas com Síndrome de Down têm o direito de participar plena na sociedade como qualquer um. Portanto, as crianças poderão estudar na rede regular de ensino.
Estatística natal: 1 em cada 700 nascimentos, são de pessoas com Down.Fonte: Organização National Down Syndrome Society (NDSS)VIDA INTEGRADA
80 % estudam, sendo 1 em cada 2 em escola comum
95% estudam música
58% praticam esportes
18%usam computador
10% trabalham
8 em cada 10, tem autonomia para realizar atividades corriqueiras do dia a dia.
PONTOS FORTES CARACTERÍSTICOS
Interação social:
A maior parte das crianças com síndrome de Down gosta e aprende na interação social com família e amigos.
Aprendizado visual:
As crianças com síndrome de Down costumam aprender mais facilmente por observação.
Gestos e mímica:
As crianças com trissomia 21 são, muitas vezes, particularmente talentosas com o uso das mãos, rostos e corpo para se comunicarem.
Elas costumam gostar de teatro, dança e movimento quando ficam mais velhas.

Habilidade de leitura:
A leitura é, normalmente, um ponto forte, possivelmente porque é aprendida com ajuda visual. Por conta disso, a leitura é algo que pode ajudar essas crianças no desenvolvimento da linguagem.
PONTOS FRACOS CARACTERÍSTICOS
Aprender a falar:
Muitas crianças com síndrome de Down enfrentam dificuldades para aprender a falar.
Audição e visão:
Deficiências auditivas são comuns e podem contribuir para a dificuldade da fala e linguagem.
Aprender a se movimentar:
As habilidades necessárias para se mover e explorar, como manter o pescoço, rolar, alcançar objetos, segurar, sentar, engatinhar, ficar em pé e andar costumam se desenvolver mais lentamente do que em outras crianças.
Aprender escutando:
As crianças com síndrome de Down costumam achar difícil aprender apenas pela escuta.
Habilidades com números:
Muitas crianças com síndrome de Down têm dificuldades com habilidades com números e o aprendizado das operações matemáticas.
Como forma de potencializar o desenvolvimento dos bebês e crianças com Down, é extremamente importante a realização dos processos de intervenções precoces de saúde, através de fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia, entre outros. 

Na hora de se referir a pessoas que possuem algum tipo de deficiência seja ela física, mental, intelectual ou sensorial, é comum que surja a dúvida sobre qual o termo correto a se utilizar, considerando que a intenção não é de desqualificar e sim denominar de forma correta e respeitosa este público, por isso trouxemos a definição de cada uma destas abreviações e o motivo para deixar de utilizar algumas delas. Confira:

PNE (Pessoa com necessidades especiais): Apesar de bastante utilizado, este é considerado o termo mais ofensivo ao denominar pessoas que possuem algum tipo de deficiência, isto porque ao afirmar que alguém possui uma necessidade especial, acontece a desqualificação das habilidades desenvolvidas por esta pessoa, passando a ideia de ineficácia trabalhista, quando na verdade grande parte das pessoas com deficiência desenvolve suas tarefas com tanta eficácia quanto qualquer outro indivíduo.

PPD (Pessoa portadora de deficiência): Neste caso o grande erro ao utilizar este termo está na ideia de que a deficiência seja algo que o indivíduo porta. Possuir uma deficiência não é algo que ele possa simplesmente abrir mão, ou deixar de utilizar, sendo assim, esta se torna uma forma equivocada de denominação.

PCD (Pessoa com deficiência): Segundo a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito das Pessoas com Deficiência, esta é a forma correta de se denominar aqueles que possuem qualquer tipo de deficiência, na medida em que não impõe qualquer tipo de discriminação, preconceitos ou barreiras denominativas, que transmitam uma imagem negativa ou inferiorizada destes indivíduos na sociedade.

A convenção realizada teve o intuito de afastar qualquer termo pejorativo, permitindo um novo entendimento da sociedade em relação a esta parcela da população e uma maior inclusão especialmente no mercado de trabalho, onde já existem determinações obrigatórias sobre o assunto na composição do quadro de funcionários.

Para empresas que possuam 100 ou mais funcionários contratados, a Lei 8.213/1991, complementada pelas leis 13.146/2015 e 10.098/2000 estabelece regras sobre a isonomia e adaptação dos espaços físicos para a integração dessas pessoas.

Você já sabia da diferença destes termos? Então continue acompanhando nosso conteúdo para estar por dentro de muitas outras novidades e informações relevantes.

Distúrbios da fala em crianças

Publicado em Notícias Segunda, 08 Novembro 2021 12:18

Em primeiro lugar o processo de aprendizado da linguagem não é nada simples e envolve diversos fatores. Para falar, o pequeno precisa escutar bem, ter um entendimento daquilo que ouve, fazer um raciocínio lógico, escolher palavras. Enfim, são muitos fatores envolvidos. Por isso, é muito comum encontrarmos dificuldades ao longo desse caminho do desenvolvimento da linguagem. Você sabe quais são os distúrbios da fala em crianças? Confira: 

Atraso na fala

Sempre temos que pensar que cada pequeno é único e por isso também tem um desenvolvimento singular. Nem sempre uma criança não estar no mesmo estágio de desenvolvimento de outras, significa que tenha alguma coisa errada. Mas é sempre importante prestar atenção e investigar. A aquisição dos sons geralmente acontece da seguinte maneira:

18 meses: b, m;

2 anos: p, t, d, n;

2 anos e meio: k, g, n;

3 anos: f, v, s, z;

3 anos e meio: x (ch), j;

4 anos: l, lh, r, rr, s e r intermediários e encontros consonantais.

Aos 4 anos é esperado que o pequeno já tenha adquirido a capacidade de enunciar todos os sons. Se os pais perceberem que a criança está muito atrasada em relação a essa tabela ou não está adquirindo os sons corretamente. Por isso, é importantíssimo procurar uma ajuda profissional, o mais rápido possível.

Disfluência

Existem diferentes tipos de disfluência, por exemplo: 

Gagueira do desenvolvimento

Repetições de fonemas e sílabas, repetições de partes das palavras, prolongamentos de fonemas, bloqueios e pausas preenchidas.

Disfluências comuns

Repetições de palavras inteiras, partes de frases ou frases inteiras e revisão de palavras.

Caráter voluntário ou involuntário

Na disfluência comum há um grau de deliberação e controle da fala, ao contrário da gagueira do desenvolvimento que é completamente involuntária.

Comportamento do corpo

Crianças que gaguejam podem apresentar tensão no rosto e/ou corpo e movimentos corporais associados à fala. Já na disfluência não há esse tipo de movimento ou tensão.

Apraxia da fala

A apraxia da fala é um distúrbio neurológico que interfere nos movimentos que produzem os sons linguísticos. Ou seja, trata-se de uma perturbação motora da fala que começa na infância e pode persistir até à idade adulta. Os sintomas da apraxia da fala infantil podem ser notados a partir dos 2 anos de idade. Em geral, a criança tem uma fala bastante limitada e pouco clara.

No entanto os distúrbio caracteriza-se pela dificuldade de planejar os movimentos necessários para produzir fonemas e construir palavras, o pequeno não consegue programar a sequência da fala. É como se a criança conseguisse pensar o que quer dizer, mas não consegue transformar esse pensamento em palavras. 

Com infomaçoes: leiturinha.com

Deficiência Intelectual ou atraso cognitivo?

Publicado em Notícias Quarta, 03 Novembro 2021 16:40

Deficiência intelectual ou atraso cognitivo é um termo que se usa quando uma pessoa apresenta certas limitações no seu funcionamento intelectual, para aquisição da aprendizagem e no desempenho de tarefas como as de comunicação, cuidado pessoal e de relacionamento social.
Estas limitações provocam uma maior lentidão na aprendizagem e no desenvolvimento dessas pessoas.
As crianças com atraso cognitivo podem precisar de mais tempo para aprender a falar, a caminhar e a aprender as competências necessárias para cuidar de si, tal como vestir-se ou comer com autonomia. É natural que enfrentem dificuldades na escola. No entanto aprenderão, mas necessitarão de mais tempo. É possível que algumas crianças não consigam aprender algumas coisas como qualquer pessoa que também não consegue aprender tudo.

Suportes visuais no autismo

Publicado em Notícias Terça, 26 Outubro 2021 14:16

Os suportes visuais são uma ferramenta de comunicação que pode ser usada com pessoas autistas.

Elas podem ser utilizadas na maioria das situações, são adaptáveis e portáteis.

Os suportes visuais podem ajudar a:

Fornecer uma estrutura e rotina;

Encorajar a independência da criança;

Melhorar a compreensão;

Evitar frustração e ansiedade;

Fornecer oportunidades para interagir com as pessoas.

Tipos de suporte visual:

Uma ampla variedade de itens pode ser usada como suporte visual, como:

Objetos táteis;

Fotografias;

Vídeos curtos;

Miniaturas de objetos reais;

Símbolos;

Palavras escritas.

Use suportes visuais

Os suportes visuais podem ser usados de várias maneira, como:

Um cartão que mostra vontade de ir ao banheiro;

Um símbolo que significa que ela quer brincar, como um balanço, por exemplo;

Uma foto que signifique que a criança quer comer.

Os deixe em um lugar fácil de encontrar.

Certifique-se de que os suportes visuais são fáceis de encontrar.

Coloque-os em lugares ao nível dos olhos das crianças, use objetos reais.

Dia do médico

Publicado em Notícias Segunda, 18 Outubro 2021 13:48

Feliz dia do médico para os hérois e heroinas que lutam pela saúde e vida de todas as pessoas.

Homenagem da Apae de Cruzilia.

Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Física

Publicado em Notícias Segunda, 11 Outubro 2021 16:19

Ministério dos Direitos Humanos – MDH celebra hoje (11) o Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Física. A data foi instituída pela Lei Nº 2.795, promulgada em 15 de abril de 1981 pelo governo de São Paulo e posteriormente comemorada em todo o território nacional. A finalidade é promover a conscientização da sociedade sobre as ações que devem ser realizadas para garantir a qualidade de vida e a promoção dos direitos das pessoas com deficiência física.

 

Muitos foram os avanços para o grupo nos últimos anos por meio da criação de normas, decretos e leis, como as regulamentações de artigos da Lei Brasileira de Inclusão - LBI, que dispõe, entre outros, sobre a obrigatoriedade de acessibilidade em hotéis, pousadas e similares; assentos preferenciais e espaços livres para pessoas com deficiência nos cinemas, teatros, casas de shows e estádios; a construção de unidades habitacionais com unidades adaptáveis, entre outros. Outra conquista a ser comemorada é a autorização de saque do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço – FGTS para aquisição de próteses e órteses.

Esporte como ferramenta de inclusão

Publicado em Notícias Segunda, 04 Outubro 2021 12:49

A prática de esportes é uma ferramenta forte para a inclusão social. Ela contribui em diversos ensinamentos, motores e cognitivos para formação do indivíduo e capaz de abrir oportunidades para toda a vida.

Quando orientados de maneira correta, os exercícios funcionam como peças-chave para aprender a ter mais empatia e respeito.

O futebol, por exemplo, auxilia no desenvolvimento do pensamento estratégico, na colaboração do grupo, na interação social, assim como na corrida e na força.

As artes marciais, por sua vez, trabalham com valores como a disciplina e o respeito aos mais velhos.

As regras, as habilidades sociais ea superação dos limites próprios trabalhados durante os exercícios são que acabam fazendo parte da personalidade de quem o prática.

Isso auxilia na inclusão social com o fortalecimento da autoestima e na formação de um indivíduo mais consciente de si.

Praticar esportes é não só cuidar da saúde do corpo, mas da mente e do futuro de um jovem ou de uma criança.

Apesar de ser visto também como um meio de ascensão, uma oferta desse tipo de programa de inclusão social não significa trabalhar com uma formação de atletas.

Isso também pode acontecer se uma criança ou jovem tiver aptidão para isso.

Significa that: aquela pessoa que está praticando, seja qual for o esporte, vai aprender a vencer e a perder.

Significa que: uma perspectiva que aquela criança ou adolescente tinha da sua rotina e convívio diário se transforma com a convivência do esporte.

A partir do momento que existe essa prática de um esporte, sua visão do mundo aumenta e se fortalece.

É possível assimilar que existem oportunidades que vão além daquelas oferecidas no seu meio de convívio.

Não é à toa que o símbolo da luta pela igualdade racial e ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, defendia o poder do esporte como método de inclusão social: “O esporte tem o poder de mudar o mundo. Tem o poder de inspirar, tem o poder de unir as pessoas de um jeito que poucas coisas conseguem”.

A inclusão social deve ser vista como uma necessidade para crianças e adolescentes e a prática de esporte como uma ação para proporcionar mais oportunidades a crianças e adolescentes.

Pois essa combinação do esporte com inclusão social vai refletir no futuro deles. Quando precisar tomar uma decisão no trabalho e aquele adulto levar em conta o coletivo. Ou quando levar um não e a autoestima fortalecida pelo esporte ajudar a levantar e seguir em frente.